Contato  |  Acesse outros estados:  São PauloBahia
Notícia
Amamentação cruzada: conheça os perigos da prática para o bebê

FONTE: NE10 | Blog Casa Saudável
Publicado em: 29/03/2018

A melhor forma de alimentar bebês prematuros ou gravemente doentes é através da alimentação com leite humano, que deve ser doado a um posto de coleta ou banco de leite humano pertencente à Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano.

A divulgação de informações equivocadas sobre o aleitamento materno, em capítulo da novela O outro lado do paraíso (TV Globo), exibido no último dia 27, levou a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) a divulgar uma nota de esclarecimento sobre o tema. Na cena, recomenda-se a amamentação cruzada (condição em que uma mulher amamenta o filho de outra mulher). É uma prática contraindicada pelo Ministério da Saúde e pela Organização Mundial da Saúde (OMS), pois oferece risco de transmissão de doenças infectocontagiosas, como o HIV/aids, sobretudo para as crianças.

“Toda a população deve dar suporte para as mães que amamentam, e os pediatras devem ser valorizados por serem fundamentais ao orientar sobre o tema. Contudo, para tanto, é preciso evitar que práticas não recomendáveis, como é a amamentação cruzada, sejam difundidas, o que pode confundir e causar problemas de saúde graves. Os pediatras pedem, assim, que todos os veículos de comunicação, em especial a emissora responsável pela novela onde as cenas foram exibidas, ajudem a disseminar de modo correto as vantagens do aleitamento junto aos brasileiros”, diz a presidente da SBP, Luciana Rodrigues Silva.

A SBP informa ainda que a sugestão feita, na novela, de que existe leite materno fraco também não está correta. “É importante destacar que a amamentação deve ser estimulada, pois é o único processo natural que garante acesso ao alimento completo e mais adequado para as crianças. Por isso, deve ser oferecido, de modo exclusivo, nos seis primeiros meses, podendo ser complementado a partir de então”, orienta a entidade.

Os pediatras lembram ainda que uma criança pode, sim, receber leite de outra mulher. No entanto, ressaltam que “esse leite deve ser oriundo de uma doação a um banco de leite humano, onde recebe tratamento que o deixa livre de qualquer possibilidade de transmissão de doenças”.

Em Pernambuco

A Secretaria Estadual de Saúde (SES) reforça também que a amamentação cruzada pode promover a transmissão de vírus e bactérias para o bebê, causando doenças infecciosas – algumas, inclusive, sem cura. A SES acrescenta ainda que a Portaria GM-MS Nº 1.016, de agosto de 1993, determina aos profissionais de saúde a proibição das mães amamentarem outros recém-nascidos que não os seus próprios. Ou seja, a amamentação cruzada não é um ato saudável para a saúde do bebê.

A melhor forma de alimentar bebês prematuros ou gravemente doentes é através da alimentação com leite humano, que deve ser doado a um posto de coleta ou banco de leite humano pertencente à Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano (rBLH). O Estado de Pernambuco conta com nove unidades, onde a doadora e o leite doado são avaliados através de exames laboratoriais antes da dispensação.

Onde doar

As mães interessadas em doar o leite excedente podem procurar os bancos de leite ou postos de coleta das seguintes unidades:
• Hospital Agamenon Magalhães (81 3184-1690)
• Hospital Dom Malan (Petrolina – 87 3202-7000)
• Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco (81 2126-3831)
• Centro Integrado de Saúde Amauri de Medeiros (81 3182-7720)
• Maternidade Bandeira Filho (81 3355-2235)
• Hospital D’Ávila (81 3117-5548)
• Maternidade Arnaldo Marques (81 3355-1815)
• Maternidade Barros Lima (81 3355-2170)
• Uniame (81 3302-6261)
• Hospital Memorial Guararapes (81 3461-5300)
• Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira/Imip (81 2122-4719 e 81 2122-4103)
• Hospital Barão de Lucena (81 3184-6552)
• Jesus Nazareno (81 3719-9338).

Desenvolvido por: EBGE - Editora Brasileira de Guias Especiais | (81) 3097.7060 | sac@ebge.com.br